Qualificação profissional: como buscar novos conhecimentos em meio à rotina de trabalho

Posted Leave a commentPosted in Emprego, Mercado de Trabalho, TI

O mercado de TI não para de se transformar, com o surgimento de muitas novidades a cada ano. Dentro desse cenário, é preciso se manter sempre estudando, em busca de uma maior qualificação profissional.

Muitos profissionais, depois de formados, estagnam e não buscam por novos conhecimentos, o que pode prejudicar a sua carreira no momento em que novas tecnologias forem assimiladas pela empresa em que atuam.

O objetivo principal deste post é mostrar que o profissional de TI não pode parar de estudar e buscar conhecimento acerca das novidades do mercado, além de explicar como fazer isso. Então, venha com a gente e boa leitura!

A importância da qualificação

O curso de graduação está deixando de ser um diferencial dentro do mercado de trabalho, principalmente na área de TI, em que tudo é volátil e a qualquer momento alguma coisa pode mudar as regras do jogo.

Dentro desse contexto, os profissionais que se destacam dos demais são aqueles que agregam diferentes tecnologias e estudam as novidades do mercado, incrementando o seu currículo e chamando a atenção dos recrutadores.

Contudo, é preciso saber conciliar a vida muito bem, pois não é fácil manter uma rotina de estudos em conjunto com o dia a dia de trabalho já executado pelo profissional, porém, os resultados em relação à ascensão na carreira podem valer a pena. Podemos destacar a importância da qualificação profissional com os pontos a seguir.

Atualiza o profissional quanto às demandas do mercado

Uma das principais vantagens de se manter estudando é estar atualizado em relação às últimas novidades em termos de tecnologia exigidas pelo mercado, podendo se adaptar mais rapidamente ao seu uso, caso seja necessário.

Além disso, ao realizar a graduação, dificilmente é possível abordar todos os pontos necessários para a atuação de um profissional de TI, sendo que o conteúdo é vasto e superficial. Ao prosseguir na carreira, é preciso se aprofundar mais por meio dos estudos para poder se destacar dos demais e agregar mais conhecimento.

Outro ponto que a atualização pode trazer é a oportunidade de ocupar cargos melhores, uma vez que as especialidades podem ser consideradas diferenciais para isso.

Aumenta sua capacidade de lidar com os desafios

Saber administrar carreira e estudos é um grande problema para muitos profissionais, uma vez que é difícil lidar com prazos, tarefas e demandas de ambas as atividades, porém, essa rotina pode ajudar você a melhorar sua capacidade de lidar com essa responsabilidade e se organizar.

Sair da zona de conforto não é algo simples, mas os benefícios profissionais que essa decisão pode acarretar vão fazer você enfrentar situações adversas de forma muito mais centrada.

Redireciona sua carreira

A maioria dos cursos superiores de TI é muito genérica, devido à quantidade de tecnologias que existem no mercado, e o resultado disso é que os profissionais ficam sem um direcionamento quando chegam ao mercado de trabalho.

Ao buscar a capacitação, você pode enxergar novos caminhos para a sua carreira por meio dos estudos, descobrindo habilidades que podem ser diferenciais para você e traçando uma trajetória profissional para o futuro.

As maneiras de se qualificar

A saída para não acabar estagnado na carreira e atingir os benefícios descritos acima é buscar a qualificação — mas qual é a melhor maneira de fazer isso com o pouco tempo disponível para um profissional de TI? Separamos algumas dicas para você.

Acompanhe blogs especializados

Quando não se tem muito tempo disponível, é preciso otimizá-lo, sendo que acompanhar os principais blogs que tratam de tecnologia pode ser uma ótima ideia para entender o que se passa no mercado atualmente.

Dessa maneira, você poderá identificar quais são as tecnologias que estão se destacando e que vale a pena estudar, evitando perder tempo com pontos que podem deixar de ser utilizados em breve pelas empresas.

Seguir alguns profissionais de destaque nas redes sociais também pode ser interessante, uma vez que eles compartilham assuntos relevantes do mundo da tecnologia e as últimas soluções e ferramentas com as quais vêm trabalhando.

Entenda do negócio

É claro que o foco do profissional que atua no mercado de TI é sempre a tecnologia, mas pode ser uma boa ideia também estudar um pouco sobre o ramo da empresa em que você atua, pois só assim é possível entender as reais demandas envolvidas.

Não é preciso investir boa parte de seu tempo nisso diretamente, mas é bom reservar algumas horas de seus estudos para buscar informação do mercado na internet, fazer cursos simples online, ou assistir a palestras em plataformas como o YouTube.

Faça cursos de qualificação

Mesmo em tempo de recuperação de uma crise econômica, o setor de TI continua contratando e em busca de profissionais diferenciados — o problema é que as vagas frequentemente deixam de ser preenchidas por despreparo dos candidatos.

A qualificação profissional e o desenvolvimento de novas habilidades são fundamentais para atrair a atenção de recrutadores e se destacar dos demais candidatos, conseguindo, assim, as melhores oportunidades.

Além disso, a qualificação e a busca por conhecimentos também são um diferencial quando falamos em promoções, uma vez que o profissional que se qualifica constantemente é mais valorizado pela gerência.

Caso haja cortes de pessoal devido a problemas financeiros, o profissional bem qualificado é o que tem maiores chances de manter o seu emprego, sendo reconhecido pelo esforço perante os demais.

Busque um local de trabalho que favoreça a qualificação

Por último, mas tão importante quanto as outras dicas: é fundamental que o profissional de TI busque por uma posição em empresas que valorizem a qualificação e que criem ambientes que favoreçam a busca por conhecimento, valorizando uma cultura de crescimento.

Existem empresas que por exemplo, dispõem de diversos incentivos internos como os “cafés com código”, meetups, treinamentos e ainda existem grupos de estudo de diversas tecnologias que contribuem para o crescimento dos colaboradores. Essas ações garantem a construção de um conhecimento coletivo e o compartilhamento de conteúdo.

Desse modo, muitas empresas também entendem que investir na qualificação do profissional é agregar valor para o seu negócio, uma vez que os conhecimentos adquiridos por aquele colaborador serão aplicados na organização, trazendo benefícios e melhores resultados.

Como é trabalhar em um Projeto Global de TI

Posted Leave a commentPosted in Inglês, Mercado de Trabalho, Profissão

Se você é um profissional da área de TI, e está com planos de ingressar em projetos internacionais do ramo, saiba que é um grande desafio e, ao mesmo tempo muito enriquecedor tanto pessoalmente quanto profissionalmente.

Se em um projeto com pessoas falando o mesmo idioma às vezes não é tão fácil, imagina em um grupo com diferenças linguísticas e culturais. Desafios de comunicação, personalidade de cada um e domínio total de uma mesma língua fazem parte do cenário de projetos internacionais.

As informações aqui destacam como é trabalhar em um projeto global na área de TI. São vários aspectos que implicam na dinâmica de trabalho desses projetos, veremos a seguir alguns deles. Então, vamos lá!

Idioma

O primeiro aspecto a ser mencionado é o idioma. Este ponto agrega valor tanto profissional quanto pessoalmente, pois você terá menores barreiras na comunicação onde quer que trabalhe. O caso que iremos usar como base para este pequeno artigo está no seguinte cenário:

“O cliente é uma grande empresa da rede bancária com filiais em todo o Brasil. A empresa contratada também é uma multinacional, com equipes de várias filiais, espalhadas por diversos países, alocadas no projeto. Por isso o idioma oficial, inclusive no Brasil, é o Inglês. ”

Todos os documentos oficiais do projeto que devem ser lidos e produzidos, todos os e-mails que circulam entre as equipes, todas as reuniões presenciais e virtuais (voz e vídeo) são realizadas em Inglês. Devido a essa necessidade do segundo idioma, fez com que nós do Clube do Trabalhador, criássemos o curso online de Inglês para Profissionais de TI.

Um material totalmente focado nas necessidades dos projetos de TI globais. Tendo como objetivo, otimizar o caminho para você conseguir uma vaga em um projeto deste porte, bem como o trabalho dentro dessas organizações.

Equipes virtuais

Ao fazer parte de projetos globais de TI, você se deparará com as equipes virtuais que trabalham no projeto. No exemplo que citamos o cliente fica em São Paulo, e as equipes de gerenciamento ficam no Canadá e Londres.

Os encontros e contatos não são esporádicos como alguns podem pensar. Imagine um projeto normal com toda a equipe local em um mesmo espaço físico, a frequência dos contatos é bem constante a isso considerando as limitações de fuso horário e distância. As principais ferramentas utilizadas para a comunicação são a internet com vídeo, voz e dados.

Equipes remotas fazem parte de projetos globais de TI.

Fuso horário

Horários alternativos também irão fazer parte de sua rotina de trabalho. O gerenciamento de tempo se altera em vários aspectos, e precisamos passar a considerar as diferenças de fuso horário que afetam diretamente as agendas de toda a equipe. Sendo que esta questão é considerada uma ameaça, e por isso deve ser gerenciada como tal e tratada como risco de médio para alto impacto por todos os integrantes do time.

Os sistemas de gerenciamento e mensagens, como e-mail por exemplo, precisam estar bem configurados para não haver bagunça de fuso horário e confusões com agendas. Por exemplo, quando marcamos algum compromisso às 9 horas, devemos citar qual o fuso horário de referência, caso contrário poderemos perder uma reunião importante por aparecermos às 9 horas do nosso fuso, sendo que a reunião ocorreu às 9 horas de Londres.

Diferenças culturais

Outro ponto presente nos projetos globais de TI são as diversidades culturais existentes. Se você ocupar uma posição de gestão, é necessário fazer com que a equipe trabalhe bem em grupo, e que apesar das diferenças existentes elas consigam atingir o mesmo objetivo comum. Então, é indispensável prestar atenção em detalhes importantes da cultura de cada profissional envolvido, seja referente a religião, horários, costumes, características de alimentação, leis, família e comportamento.

Caso seja desenvolvedor, DBAs, Scrum Masters, QAs, Release Managers dentre outros, cabe ressaltar a importância do respeito, empatia e tolerância perante a pluralidade de culturas que integram o projeto.

Referente às diferenças culturais, um item que merece destaque aqui é a pontualidade. Por diversas vezes ouvimos que no Brasil não há muita preocupação com a pontualidade em reuniões, onde o atraso pode ser levado na esportiva, e uma reunião marcada para as 10, nada de mais começar às 10:15, 10:30 … 11:00, e em alguns casos até mais.

No caso dos canadenses, americanos e a maioria dos europeus, a pontualidade é extremamente valorizada, e quando consideramos equipes virtuais esta questão se torna ainda mais importante. As situações em que várias pessoas, em diversas regiões diferentes, se conectam ao mesmo tempo por telefone ou internet se repetem ao longo de todo o projeto, praticamente todos os dias, fazendo do cumprimento dos horários um valor muito apreciado.

Diferentes culturas e pessoas integram os projetos globais de TI.

Troca de experiências e conhecimentos

Muito provavelmente seu chefe e alguns de seus colegas de trabalho terão estudado em uma universidade conceituada como Harvard, Cambridge, Oxford, MIT e dentre outras. Esta constatação remete-se a troca de diferentes conhecimentos, vivências e experiências tanto profissionais quanto pessoais.

Um dos objetivos da empresa deve ser proporcionar o contato dos grupos de profissionais, a fim de que partilhem problemas e identifiquem tentativas comuns de solução, através da troca de experiências e informações, permitir-lhes-á criar as diretrizes fundamentais e cruciais para uma eficaz Gestão do Conhecimento.

Sendo assim, é sempre positivo compartilhar conhecimento e também é uma atitude bastante madura. Compartilhar conhecimento em um ambiente de trabalho não se trata apenas de dividir ou repassar informação, mas sim abrir espaço para a troca, para o crescimento, tanto pessoal quanto profissional, seu e do outro.

Demais vantagens

Pode-se destacar o rápido crescimento profissional bem como a troca de experiências, técnicas e conhecimentos sempre atuais e traz benefícios como melhorar sua criatividade e facilidade para solucionar problemas.

Outro aspecto é o crescimento pessoal: o contato com pessoas de equipes de outros países faz com que você conheça diferentes personalidades e costumes, fazendo com que tenha cada vez mais “jogo de cintura” para lidar com pessoas difíceis. Você acaba vivenciando outras culturas tanto no ambiente de negócios quanto no ambiente social.

A valorização do seu currículo: cada vez mais as empresas buscam colaboradores que possuam experiência com projetos internacionais.

Melhor habilidade de comunicação: ao lidar com a diferentes línguas, você aperfeiçoa sua capacidade de expressão e facilidade de adaptar-se às mudanças.

Desse modo, a experiência que se adquire em projetos internacionais é muito grande, muito valiosa e muito enriquecedora, tanto para a experiência profissional quanto para a vida pessoal.

A troca de experiências é intensa, conseguimos aprender muito com os estrangeiros e com certeza ensinar também. É muito interessante entendermos que muitas das nossas boas práticas aqui no Brasil são as mesmas que eles realizam lá fora, com algumas diferenças que podemos absorver e melhorar.

A sugestão que deixamos é que, se for de seu interesse crescer nesta área de projetos e vivenciar experiências profissionais que agreguem valor a sua trajetória profissional, invista parte do seu tempo no estudo do Inglês.

Para os profissionais competentes e bem qualificados o idioma se torna uma barreira  para uma experiência internacional, principalmente porque o Brasil está em defasagem em alguns aspectos em relação à os outros países em matéria de tecnologia, boas práticas, metodologias e qualificações. Por isso, com estudo e dedicação, podemos trabalhar em projetos do mundo todo, desde que possamos nos adaptar a alguns dos pontos que foram mencionados neste artigo, e principalmente falar a língua oficial do projeto.

Como estímulo adicional, lembre-se que até para estudar e pesquisar mais profundamente alguns assuntos específicos nesta área de TI, precisamos do Inglês. Muitas bibliografias não possuem tradução para o português, e quando são originais de um outro idioma, como o Francês por exemplo, será mais fácil encontrar uma tradução para o Inglês.

Esperamos que essas informações tenham sido válidas para você. Sucesso em sua trajetória profissional. Até a próxima!

Descubra como se tornar um editor de vídeos

Posted Leave a commentPosted in Audiovisual, Cursos do Clube, Design
Saiba o que faz um editor de vídeos, como se preparar e o que estudar para se tornar um profissional deste ramo.

É notável que o uso de vídeos na internet tem se expandindo muito com o intuito de divulgação de conteúdo bem como, a geração de tráfico em sites e consequentemente ampliando a busca por profissionais qualificados para edição profissional de conteúdo. Dessa forma, o vídeo passou a ser parte de interesse de marcas pela sua praticidade de retenção de visualização do público pelo atrativo visual e fácil compartilhamento on-line.

Essa prática, alinhada ao crescimento de estratégias de marketing de conteúdo, fez com que empresas começassem a profissionalizar a produção de vídeos buscando pessoal qualificado para as funções, incluindo a de editor de vídeos.

Deseja saber como se tornar um profissional dessa área? Continue lendo este post e saiba tudo sobre a carreira!

O trabalho do editor de vídeos

Você deve estar se perguntando, mas o que faz, de fato o editor de vídeos? Este profissional é responsável por recortar, selecionar e montar cenas de forma coerente. Parece simples, porém não é. Para trabalhar com edição, é necessário ter um olhar aprimorado do storytelling para definir como uma história pode ser contada da melhor maneira possível através das cenas que se tem.

Estão entre as oportunidades para o editor de vídeo profissional trabalhar, podemos destacar: produtoras de TV, produtoras de filmes e dentro de setores de comunicação de empresas; as agências de marketing e publicidade e assessorias de imprensa. Para se qualificar nesse mercado, não é necessário ser bacharel em Comunicação ou Produção Audiovisual, em geral esses cursos apresentam o conteúdo, mas não focam na realização da edição.

Preparação para ser um editor de vídeos

O mercado cada vez mais competitivo, busca pessoas capacitadas nos principais programas de edição, como Adobe Premiere. Contudo, além do conhecimento técnico dos programas, o profissional deve ter muito conhecimento de áudio, roteiro, câmeras, tratamento de imagem e linearidade para dar a direção correta a demanda de trabalho.

Todavia, o editor pode buscar por conhecimentos de animação, especializando-se para atender o mercado de vinhetas e pós-produção. Entre os programas, o mais conhecido é o Adobe After Effects e ToonZ.

Um bom trabalho de edição garante sucesso a maioria dos filmes e, até mesmo canais do YouTube. Viabiliza uma narrativa atraente, linearidade e profissionalização. Todo vídeo que inicia com um roteiro bem estruturado e finaliza com uma edição feita por um profissional capacitado tem muito mais chances de dar certo e ser reconhecido.

Dedicação à carreira

Depois de adquirido o conhecimento fundamental para se tornar editor de vídeos, é importante:

  • Qualificar-se: O mercado de tecnologia muda constantemente e estão sempre surgindo novidades na área. É essencial estar disposto para conhecer técnicas atuais e novos programas.
  • Elaborar um portfólio: Mesmo que no início seja difícil produzir o portfólio, una forças com colegas e amigos para criar vídeos e demonstrar seu trabalho na prática. O portfólio é tão importante quanto o currículo, pois é onde o empregador verá seu conhecimento na área e como ele é aplicado. Contudo, deixe no seu portfólio apenas os melhores trabalhos e os que expresse a área em que você deseja trabalhar. Se o interesse é trabalhar com 3D, não deixe seus trabalhos 2D em destaque. Sempre ressalte seu conhecimento na área de interesse.
  • Estar atento às tendências: Linhas de trabalho de design atuam diretamente na produção de vídeos e na pós-produção. O editor de vídeo deve sempre manter-se conectado com as tendências, conceitos e uso de tecnologias e plataformas. Isso pode atingir diretamente em como vídeos são recebidos e melhorar suas performances com o público-alvo. Uma boa sugestão é estar atento às novidades destacadas no YouTube e Vimeo. Isso assegura um bom início de como se preparar para tendências mundiais de filmmaking.
É essencial estar disposto para conhecer técnicas atuais e novos programas.

Modalidade de jornada de trabalho

Após a inserção no mercado de trabalho, há uma segunda decisão a se tomar: a forma de trabalho. As principais são:

Emprego fixo: Como na maioria dos empregos, o editor de vídeos pode ser admitido por uma empresa e trabalhar internamente com vídeos. Isso tem suas benefícios, como salário fixo, estabilidade e melhor planejamento financeiro. Entretanto, em relação à produção, a proximidade com os superiores, produtores e diretores da organização também favorecem a comunicação e possibilidade de participar de decisões dentro da produção.

Freelancer: Isso já uma realidade para muitas pessoas que optam em trabalhar por conta, de casa, tendo seus próprios clientes. Porém, junto com a comodidade, há responsabilidades e problemas. Primeiro, a instabilidade financeira, pois, sem planejamento do profissional, pagar as contas pode ficar mais difícil em períodos com menos trabalhos.

Por outro lado, ter seus próprios clientes pode facilitar a comunicação com eles e proporcionar maior engajamento no trabalho. Caso a prestação de serviço não seja para o cliente direto, mas para agências ou produtoras, essa aproximação não existe, e o trabalho pode se tornar mais automático, mas ajuda a manter contatos para atividades futuras.

A maior parte dos editores de vídeo costuma unir essas modalidades para ter maior estabilidade e melhor posicionamento nos trabalhos. Assim é possível diversificar o portfólio, abrangendo clientes de várias áreas, melhorando as habilidades (com desafios vindos de diferentes mercados) e fazer networking, o que garante crescimento profissional no mercado da comunicação como um todo.

Portanto, se deseja optar pela carreira de editor de vídeos, o Clube do Trabalhador pode te ajudar! Você poderá se capacitar nos programas Adobe Premiere usando o curso de design.

O curso de Adobe Premiere está disponível para o aprendizado e o desenvolvimento das principais técnicas e práticas para a produção de vídeos, incluindo pré-produção, produção e pós-produção.

Viste o site e conheça melhor as oportunidades para se capacitar e entrar no mercado de edição de vídeos!

Até o próximo post!

Fonte:

7 passos para uma negociação ganha-ganha

Posted Leave a commentPosted in Cursos do Clube, Negociação, Vendas
Negociação é o processo de alcançar objetivos através de um acordo em situações que existam interesses comuns e diferentes. Veja aqui como alcançar o ganha-ganha por meio do processo de 7 passos da negociação.

Uma das principais competências de um profissional, independentemente do que está vendendo é a capacidade de negociar e persuadir efetivamente as pessoas, quer dizer, saber como chegar ao sim. Isto é conhecido como negociação ganha-ganha, onde é proporcionado resultados satisfatórios a todas as partes envolvidas.

Para isso é necessário que as partes possam ser ouvidas atentamente e que seus interesses e argumentos sejam clara e empaticamente abordados por todas as partes envolvidas durante um determinado tempo.

O ato de negociar caracteriza-se, portanto, como um processo. Um método sequencial que envolve diversas etapas genéricas compreendendo a identificação de necessidades, a apresentação de argumentos e busca de acordo entre os interesses das partes envolvidas.

Neste artigo você entenderá como preparar o terreno e chegar às fases finais da negociação com todas as informações necessárias para fechar um excelente negócio, atendendo às expectativas do cliente sem ir além dos limites aceitáveis para seu negócio.

Veja abaixo as sete etapas de uma negociação:

1 – Preparação

Uma boa negociação envolve necessariamente sua preparação prévia. Para planejar como você conduzirá o processo, pondere sobre as seguintes questões:

  • Objetivos ideais e reais – Determine sua margem de negociação, isto é, o máximo pretendido e o mínimo necessário do resultado a ser obtido.
  • Estimativa da necessidade – Ninguém compra ou aceita o que não precisa. Dessa forma, você precisa se colocar no lugar da outra parte e avaliar o desejo de compra. Busque o máximo de informações para conhecer o negócio ou anseios do outro.
  • Planeje os benefícios – Planeje as consequências que cada concessão poderá trazer. Estime o que outro valoriza.
  • Prováveis divergências – Antecipe quaisquer conflitos. Use humor e busque tranquilizar a outra parte.
  • Perspectiva otimistas – Acredite no seu potencial, isto é, tenha autoconfiança e pense positivo.

2 – Abertura

A abertura é a etapa que envolve o contato preliminar do processo de negociação. Ela compreende os seguintes aspectos:

  • Diminuição do estresse – É hora de quebrar o gelo, isto é, criar clima propício e deixar as partes confortável; Manifeste interesse pelo outro, faça perguntas sobre o próprio local e ambiente da negociação; aponte algo que você viu/leu que possa interessar ao outro.
  • Determinação do objetivo – Explique por que o seu produto ou serviço poderá resolver um problema ou satisfazer uma necessidade; Veja, aqui ainda não é o momento de apresentar o que vai ser negociado, mas de lançar uma “isca” para estimular o cliente a falar.

3 – Exploração

Faça (muitas) perguntas abertas e esteja atento as respostas, observe os sinais não verbais. O objetivo é encontrar pontos em comum entre os envolvidos. No curso online de Persuasão em Vendas você aprende técnicas de como fazer perguntas abertas.

Independente do que você venda – seja um produto, serviço, uma ideia, uma solução você sabe muito bem que ninguém compra algo que não precisa ou não deseje. Esta é, portanto, a fase crítica que irá determinar mais à frente o fechamento e conclusão de uma negociação ganha-ganha.

  • Identificar necessidades e desejos – De modo geral, o brasileiro costuma imaginar as necessidades e desejos do cliente e não gosta de questionar, mas de ir direto ao ponto e apresentar aquilo que tem para oferecer ou deseja obter na negociação. Aqui o discurso pode seguir esse caminho: “Antes de falar sobre minha oferta, gostaria de ouvir seu ponto de vista sobre…”
  • Teste da suposta necessidade – Verificar o quanto a outra parte precisa de seu produto, serviço, ideia ou solução. Em outras palavras, analise se o que você pressupôs durante a preparação é verdade.
  • Busca de interesses em comum – Identifique pontos em comum e diferenças, mas procure focar sobretudo nos primeiros, pois interesses comuns tendem a facilitar a conversa.
  • Validação e concordância – Confirme se o que você entendeu é de fato o que a outra parte quis dizer (Use frases do tipo “Quero ver se entendi…”; “Você pode resumir seu ponto de vista…”)

Antes de prosseguir esteja convicto de que a outra parte tem algum interesse sobre o que vai apresentar. Caso contrário, não avance para a próxima etapa.

4 – Apresentação

Descrição dos seus produtos, serviços, ideias e soluções. Apresente as características de uma forma objetiva e simples, ressaltando os pontos que a outra parte acredita que são mais importantes e que foram descobertas nas etapas anteriores.

De acordo com as técnicas de marketing, sempre focalize prioritariamente os benefícios ao invés de descrever as características técnicas do produto ou serviço.

É muito comum certos tipos de compradores não quererem saber de pequenos detalhes técnicos, ou eventualmente o contrário. Para isso, avalie o perfil do cliente.

  • Problemas resolvidos por sua proposta (soluções) – Mostre a outra parte quais os problemas dele que sua proposta soluciona. Como funciona seu produto ou serviço. Exemplo: “você mencionou que necessitava de tal componente. Meu produto tem um componente especial que pode ajuda-lo nisso”
  • Benefícios proveniente de sua proposta – Como falamos acima, enfatize os benefícios e características especiais ou exclusivas de seu produto que interessam a outra parte. Não destaque características ou especificações técnicas que não interessam ao consumidor.

5 – Clarificação

Por mais que você se empenhe para que sua apresentação seja muito clara, sempre ficam dúvidas. Este é o momento de esclarecê-las. Utilize frases como: “Existe alguma coisa que não ficou clara ou que você deseje saber?”.

  • Esteja preparado para responder as objeções –  É nessa fase que aparecem as objeções – críticas ou aspectos negativos na percepção da outra parte. Sua preparação deve antecipar as argumentações como preço, qualidade, duração, etc. As razões mais comuns para objeção são: medo de arriscar-se, falta de confiança, informações insuficientes, prioridades diferentes.
  • Evite frases de risco – Lembre-se, você não é o “dono da verdade”. Frases como “Você não entendeu”, “Não é nada disso”, “Sim, mas…” e outras afirmações desse tipo podem levar o consumidor a se sentir criticado ou menosprezado, levando a atitudes e comportamentos de resistência frente a você e seus argumentos.
  • Aceite as motivos do outro – Tente evitar contradições e oposições; Coloque-se do lado da outra parte
  • Destaque dúvidas em potencial – Tenha a iniciativa de comunicar alguma objeção comumente apresentada e que não foi percebida pelo cliente. Por exemplo, “Você não me perguntou sobre isso, mas gostaria de lhe esclarecer que a garantia é de …”

6 – Ação final

Depois da exploração, da apresentação e da clarificação, chegou o momento da ação final do processo de negociação: o fechamento. Esse é o momento da recompensa do esforço desprendidos pelas partes.

  • Atenção aos sinais de aceitação – Fique atento às colocações do comprador. Algumas perguntas podem elucidar a vontade de fechamento do acordo: “Você gostaria de pagar a vista ou a prazo?”, “Você quer implantar o produto agora ou em um mês?”
  • Flexibilize sua proposta – Todos temos medo de tomar decisões erradas. A possibilidade de reversibilidade favorece a decisão. É comum utilizarmos frase do tipo “Se não gostar, devolvemos o dinheiro”
  • Apresente opções para facilitar o fechamento – “Se preferir, você pode pagar em até X vezes sem juros”.
  • Retome as vantagens e desvantagens – Sempre enfatizando as vantagens e benefícios
  • Proponha o fechamento do negócio – “De acordo?” ou “Vamos assinar o contrato?” são frases geralmente utilizadas para indicar e induzir o fechamento.

7 – Avaliação

Se você pensa que por que fechou negócio, o processo de negociação terminou, você se engana. A etapa final não pode ser esquecida. Ela se constitui na fase de controle e avaliação do processo.

  • Cumpra com as decisões do que foi acordado – Avalie quais ações devem ser tomadas para executar o que foi negociado; que medidas devem ser adotadas na organização para que tudo aconteça conforme previsto no contrato assinado ou na compra realizada;
  • Relacionar o previsto com o realizado – Fazer um balanço do que foi negociado, se houve mais ganhos ou perdas; Faça uma análise avaliativa das concessões e suas consequências
  • Aprendizado – Elenque os aspectos que precisam de melhoria para negociações futuras e erros que poderão ser evitados.

Como qualquer outra habilidade gerencial, a negociação só será otimizada a medida que ela for praticada continuamente. Para aperfeiçoar sua capacidade de chegar a bom termo em uma negociação ganha-a-ganha, é hora de praticar. Portanto, comece hoje mesmo a utilizar esse processo e… boa sorte!

Até o próximo post!

Fonte:

Gestão Financeira Pessoal – Saiba como fazer

Posted Leave a commentPosted in Administração, Gestão Pessoal

Você sabe como fazer uma boa gestão financeira pessoal? Hoje e cada vez mais encontramos pessoas que estão endividadas com gastos que excedem os seus rendimentos. Isso acaba com a sossego e o bem-estar de quem vive assim. Por isso, é indispensável ter uma boa gestão dos gastos.

Separar um tempo à organização e planejamento das finanças para não se endividar, não atrasar o pagamento de contas e cumprir com todas as obrigações é essencial. Neste post abordaremos 6 dicas para direcioná-lo quanto à boa gestão financeira pessoal. Aproveite a leitura!

1 – Apostar em recursos tecnológicos

Uma das principais dicas para você realizar uma boa gestão financeira é investir em recursos tecnológicos, uma vez que os novos recursos digitais têm funções úteis para simplificar o controle de seus débitos. Isso deve-se pelo fato de comumente esquecermos os gastos realizados e não identificarmos a razão do dinheiro não ser suficiente para pagar todas as despesas.

Para solucionar esse problema, há diversos softwares no mercado que possibilitam acompanhar todas as suas movimentações financeiras. Esses aplicativos viabilizam a administração de entrada e saída de todos os recursos que você obtiver em seu trabalho durante o mês. Isso faz com que você consiga ter o conhecimento dos menores gastos, sendo que, às vezes, são essas pequenas despesas que prejudicam a gestão financeira.

É importante apontar que você pode aproveitar a oportunidade para fazer cursos online voltados para o uso das inovações tecnológicas. Além de beneficiar a vida pessoal, isso também agrega valor para se destacar no mercado de trabalho.

2 – Elaborar um controle de orçamento

Além de investir em ferramentas tecnológicas, é fundamental montar um controle orçamentário para realizar a gestão financeira pessoal. Isso se faz necessário porque, muitas vezes, temos dificuldades de gastar menos do que ganhamos, o que pode ocasionar em inúmeras dívidas que não teremos condições de arcar.

Com esse planejamento, você terá condições de analisar se aquela determinada dívida pode ser contraída e se você terá recursos para quitá-la. Desse modo, o controle orçamentário pode ser entendido como o processo de previsão e planejamento financeiro para que você alinhe as suas despesas com a quantidade de recursos que recebe.

O controle de orçamento é feito com previsões sobre possíveis custos e rendimentos adquiridos em um determinado período de tempo. Contudo, isso não significa que você não pode, por exemplo, aumentar os seus proventos por meio do aperfeiçoamento das suas habilidades, já que esse tipo de administração financeira pode ser alterado e refeito quando houver necessidades.

3 – Estipular limites de gastos

Outra maneira para melhorar a sua gestão financeira é estabelecer limites de gastos para cada categoria. Atualmente, é preciso saber organizar bem a renda para que não faltem recursos para algumas despesas que são essenciais para mais qualidade de vida e bem-estar.

As despesas mais comuns costumam ser com as categorias de habitação, transporte, lazer e alimentação. É necessário ter o controle do quanto podemos aplicar dos nossos rendimentos em cada grupo. Sem o estabelecimento desses limites, vamos fazer despesas inadequadas.

Por exemplo, a alimentação é uma das categorias que podem tomar grande parte da renda, sendo necessário analisar o quanto de recursos pode-se destinar a esse grupo sem comprometer as demais despesas. Isso é fundamental também para termos mais condições de fazer investimentos na realização de uma graduação e especializações.

Determine quanto poderá gastar em cada tipo de despesa que você possui

4 – Programar as despesas

Planejar os gastos é outra dica muito importante para você fazer uma boa gestão financeira pessoal, uma vez que sem um planejamento financeiro adequado torna-se extremamente difícil fazermos aplicações corretas dos nossos rendimentos. Para algumas pessoas, essa é a parte mais complicada da gestão, pois não conseguem gastar somente aquilo que planejaram, o que é prejudicial para as suas vidas.

Também faz parte de um bom planejamento comparar os preços com cuidado para escolher a melhor oferta e obter economia. Todavia, é fato que alguns imprevistos acontecem e nem sempre conseguimos planejar completamente. Contudo, isso não pode ser um empecilho para deixarmos de organizar a vida financeira. Assim, você deve começar anotando suas receitas e despesas atuais para saber o que já pode ser alterado.

Além disso, não podemos deixar de lado a importância de poupar dinheiro, já que um planejamento eficaz certamente vai contribuir para que você não tenha gastos superiores ao que a sua renda permite. Isso faz com que você possa economizar para investir no sucesso da sua carreira profissional, por exemplo.

5 – Tenha suas planilhas sempre atualizadas

Faz parte de uma boa gestão financeira manter as planilhas sempre atualizadas. O que mais se encontra por aí são pessoas com falta de tempo e de disciplina para registrar a entrada e saída de recursos na periodicidade ideal. É de suma importância estar com os registros sempre alimentados com as despesas recorrentes para o bem da saúde financeira pessoal.

Há diversas funções no programa Excel, por exemplo, que permitem a elaboração de planilhas com gráficos e tabelas interativas para que todos os gastos possam ser contabilizados.

Com a utilização de planilhas você consegue observar com facilidade em quais áreas as despesas ultrapassam o valor que foi planejado. Assim, é possível poupar muito mais.

Uma dica para que você mantenha as suas planilhas atualizadas é ter disciplina, separando um pequeno período do dia para cuidar da sua gestão financeira. O importante é que isso seja feito com frequência, pois deixar para contabilizar os gastos no fim do mês não é prudente, já que você pode esquecer algumas pequenas despesas.

Para ajudar na sua gestão financeira pessoal use planilhas para controlar melhor suas finanças

6 – Estabeleça objetivos

Por fim, para realizar uma boa gestão financeira pessoal é essencial definir metas e prazos com o intuito de controlar o seu dinheiro e obter resultados satisfatórios a médio/longo prazo. Por exemplo, você pode pensar sobre um dos grandes empecilhos para a estabilidade nas finanças que é eliminar os pagamentos parcelados com juros, pois eles contribuem para muitas dívidas.

Também pode eliminar as pequenas despesas como: assinatura de revistas (tem o mesmo conteúdo na forma online), assinatura de TV a cabo, conta de telefone (caso você não utiliza com tanto frequência ou não seja para o trabalho) e outras que identifique que não essenciais para seu cotidiano.

Elenque quais são as suas principais metas financeiras e determine um período para cumpri-las. Assim, você vai ter um planejamento financeiro estratégico e efetivo para fazer o uso responsável do seu dinheiro.

Neste post, trouxemos dicas sobre como fazer uma boa gestão financeira pessoal para você não ter problemas com dívidas e não atrasar o pagamento de contas. Com isso, você terá mais recursos para investir em sua vida profissional e se aprofundar nos estudos.

Se gostou do conteúdo não deixe de curtir nossa Fan Page e acompanhar as novidades que sempre buscamos trazer para seu crescimento profissional.

Até o próximo post!

Fonte:

A importância do inglês para profissionais de TI

Posted Leave a commentPosted in Cursos do Clube, Inglês, Profissão
Veja aqui a importância do inglês para profissionais de TI e as demais vantagens de aprender o idioma.

Os profissionais de TI (Tecnologia da Informação) se deparam com o mercado de trabalho em contínuo crescimento e também no exterior. No entanto, é necessário que eles apresentem alguns pré-requisitos para conseguirem os cargos ofertados.

Para o profissional de TI é indispensável ter conhecimento de inglês, já que muitas empresas exigem como sendo obrigatório para a contratação e a linguagem de programação é universal, com vocabulário único.

Os profissionais de TI que buscam ter um bom salário precisam trabalhar em projetos globais ou em empresas que possuem filiais em outros países. O conhecimento profundo no idioma é indispensável nesse caso. Não há como se comunicar com os colegas e parceiros de outra forma. Nesse caso, a ausência de habilidade no idioma pode eliminar imediatamente o candidato.

Entretanto, conforme veremos ao longo deste artigo, existem outros motivos altamente relevantes para o profissional de TI dominar o inglês em termos de fala, escrita e leitura. Veja algumas delas a seguir!

1 – Uso de termos em inglês na rotina de profissionais de TI

Embora o português tenha adaptado diversos termos provenientes do inglês, como programas (software), navegadores (browsers) e disco rígido (hard disk – HD), sempre haverá momentos em que a aplicação dos termos em da língua inglesa será necessária.

Logo, não compreender o sentido dessas palavras, não ter criado o costume de escrevê-las e nem pronunciá-las pode ser um problema para desempenhar bem seu trabalho não só na área de TI.

Imagine como seria receber do líder uma série de instruções, repletas de termos em inglês, e ser obrigado a procurar ele — ou aos colegas — para entender, de fato, o que é preciso fazer? Ou até pior: agir na base do achismo.

2 – Maior diversidade de materiais e manuais em inglês

A quantia de materiais sobre TI (livros, artigos, vídeos etc.) disponíveis em inglês é bem maior que em português — por sua vez, tendo a maioria dos materiais traduzidos ou embasados nos assuntos em inglês.

Portanto, a fluência no idioma é um requisito fundamental para que profissionais de TI se mantenham atualizados e adquiram níveis mais altos de conhecimento, pois as maiores autoridades em tecnologia no mundo distribuem suas obras em inglês.

Além disso, para o profissional ter condições de contribuir efetivamente com a empresa, se faz necessário tomar conhecimento de que os próprios manuais e documentações são oficialmente lançados em inglês, ou seja, se não souber ler os materiais, logicamente ele não terá condições executar suas atividades.

3 – Mais oportunidades

A área de TI, possui altíssima demanda por profissionais ao redor do mundo, devido a aspectos como a abrangência de atividades e importância da tecnologia para o mundo corporativo.

A importância do inglês fluente possibilita conseguir um emprego no exterior, visto que o idioma é a porta de entrada para profissionais de TI independentemente do país em que se encontra.

No Canadá, por exemplo, até por ser um país que possui dois idiomas oficiais (inglês e francês), muitas empresa exigem do candidato o conhecimento em francês. Entretanto, isso apenas significa que a empresa já supõe que o candidato saiba aplicar o inglês profissionalmente — o chamado “inglês técnico”.

4 – Capacitação para certificações

As certificações tem como objetivo comprovar a aptidão do profissional e seu grau de conhecimento no uso de determinadas tecnologias, sendo assim, são extremamente importantes para os profissionais de TI para assegurar um lugar de destaque no mercado de trabalho.

Contudo, tanto os materiais de estudo que fabricantes e institutos distribuem quanto os próprios exames em si são disponibilizados em inglês. Sendo assim, não ter domínio do idioma é uma barreira para a realização das provas.

Muitos materiais de estudo para certificações são publicados em inglês

5 – Aplicabilidade nas atividades de trabalho

Em áreas como desenvolvimento de software e administração de redes, as próprias atribuições dos profissionais envolvem a leitura e a escrita da língua inglesa.

Na programação, por exemplo, todas as linguagens aplicadas estão em inglês, portanto, é fundamental o domínio do idioma para compreender os códigos. O mesmo pode-se dizer das linhas de comando usadas no Linux para configurar sistemas e servidores.

Dicas de vocabulário

To analyze: analisar

Computer Engineering: Engenharia da Computação

Computer networks: redes de computadores

Computer Science: Ciência da Computação

Computing professional: profissionais da área de computação

Construct: criar

Data management: gerenciamento de dados

Digital library: biblioteca digital

Digital signature: assinatura digital

Information security: segurança da informação

Information technology audit: auditoria da tecnologia da informação

Information technology infrastructure library: biblioteca de infraestrutura da tecnologia da informação

Maintain: prestar assistência técnica

To manager: gerenciar, administrar

Metadata: metadados

To plan: planejar

Software development: desenvolvimento de softwares

Software Engineering: Engenharia de Softwares

Systems integration: integração de sistemas

Wireless networking: redes de tecnologia sem fio

Resumindo, a importância do inglês para profissionais de TI se reflete em praticamente tudo que envolve a carreira na área.  TI está ligado ao inglês.

Ficou com dúvida de como pode melhorar a sua fluência no inglês? Acesse o site do Clube do Trabalhador e conhecer melhor o curso online de Inglês para Profissionais de TI, com conteúdo totalmente focado nas suas necessidades como profissional de TI.

Se você gostou de nosso conteúdo, curta nossa Fan Pange e não fique de fora das webinars que acontecem uma vez na semana para sanar dúvidas a respeito da língua inglesa.

Até o próximo post!

Excel – Porque você deve aprender

Posted Leave a commentPosted in Cursos do Clube, Mercado de Trabalho, Produtividade
A ferramenta Excel perante as transformações digitais não perdeu sua usualidade e importância.

As transformações digitais estão ocorrendo cada vez mais rápidas, hoje nos encontramos no que é chamado de indústria 4.0, com vários recursos para auxiliar o trabalho das empresas. E nesse cenário, temos o Excel como uma recurso ainda muito usada, independentemente da área do segmento.

Trata-se de um recurso para a elaboração de gráficos, execução de diversos cálculos matemáticos, entre outras funções.

Saber usá-lo é um diferencial para carreira profissional e pessoal, sendo isso um dos principais motivos para apostar os estudos na aprendizagem desse recurso. Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, aquele que domina o Excel seguramente sairá na frente e conquistará as melhores oportunidades.

Dessa forma, neste post, vamos apresentar as principais razões para se aprender Excel. Boa leitura!

1 – É uma ferramenta universal

O Excel é simplesmente o software mais utilizado em todo mundo, mais de 90% das empresas usam ativamente esse aplicativo. Isto é, praticamente todas as empresas utilizam dessa ferramenta para otimizar e organizar o trabalho, o que vai demandar que os colaboradores saibam usá-lo para realizar as suas tarefas.

Um setor que esse aplicativo é mais usado é na área de finanças, uma vez que nesse setor é necessário elaborar planilhas com relatórios com muita frequência. Contudo, não acredite que só grandes empresas vão trabalhar com esse recurso, pois com o auxílio do Excel as organizações de pequeno e médio porte, como padarias, escolas e restaurantes também podem organizar os seus trabalhos.

2- É bem mais que planilhas

Muitas pessoas acreditam que o sistema de Excel é de fácil aprendizado, pois se resume ao trabalho com planilhas. Entretanto, isso não é verdade, pois esse software tem inúmeros recursos, sendo muito mais do que apenas simples planilhas. Para ser mais específico, o Excel pode ser determinado como uma ferramenta de resolução de problemas com uma infinidade de possibilidades de tarefas.

Com o Excel existe a possibilidade de lidar com dados de textos, automatizar cálculos e tarefas, controle de estoque e muito mais. Isso sem se esquecer dos cálculos avançados que você realiza por meio das suas configurações. A criação de planilhas, apesar de ser uma função importante, não é o único objetivo para você utilizar esse software.

3- Suporte na análise de grande volume de dados

Outro motivo para você aprender Excel é o fato dessa ferramenta colaborar na verificação de enorme quantia de dados. Isso porque, na atualidade, as organizações estão dispondo da oportunidade de coletar mais informações para elaboração de estratégias que potencializem o processo de venda e apresentem melhores resultados para as instituições.

Com esse recurso, você pode sintetizar os resultados de uma pesquisa, organizar os dados e reunir as informações para atender às suas descobertas e determinar a visualização dessas informações em gráficos didáticos com o objetivo de simplificar a apresentação.

São inúmeras formas de usar os recursos apontados no Excel a fim de analisar grandes quantidades de dados, inclusive resultados estatísticos.

4 – Melhora a performance das atividades dentro de uma empresa

Além de auxiliar na análise de dados, o software também otimiza as atividades dentro de uma empresa. Isso é extremamente importante para a época de resseção econômica na qual vivemos, uma vez que a competição de mercado está mais acirrada, sendo fundamental impulsionar a produtividade para ganhar espaço e obter sucesso.

Com o Excel é possível compreender os dados e contar com os recursos do bloco de notas analítico. Além disso, o software organiza orçamentos, planeja finanças e calcula as despesas para simplificar o trabalho das empresas e evitar prejuízos com a perda dessas informações. Para isso, são necessários profissionais que conheçam as funções básicas e avançadas do programa a fim de otimizar as atividades do cotidiano.

Entretanto, os benefícios para o mundo empresarial não se limitam por aí, já que a ferramenta tem várias funções para a realização de cálculos complexos, que proporcionam resultados incontestáveis. Assim, evitam-se inúmeros erros que uma pessoa poderia cometer no seu trabalho diário, contribuindo para a execução das suas tarefas.

5- Diferencial na contratação

Você deseja estar um passo à frente na hora de realizar a entrevista de emprego? Saiba que além dos benefícios operacionais do Excel como ferramenta de trabalho, também proporciona benefícios que vão ajudar você a conquistar as melhores vagas de emprego. Isso porque fazer um curso de Excel vai enriquecer o seu currículo.

Porém, as organizações entendem que é a partir da realização de cursos que teremos profissionais qualificados e capacitados para melhor desenvolver as tarefas. Como dito antes, as empresas estão mais exigentes e buscam a comprovação das informações descritas no currículo por meio de diplomas e certificados. Dessa forma, é bom estar ciente que não é suficiente apenas conhecer algumas funções do programa sem ter feito nenhum curso que ateste o seu conhecimento.

Por isso, demore para se capacitar, pois aprender Excel agregar valor a sua carreira profissional e traz um diferencial competitivo na entrevista de emprego, uma vez que ele é utilizado em quase todas as áreas de atuação. Sem esquecer de mencionar que, para alguns setores, como logística e venda, conhecer o programa é um pré-requisito para os processos seletivos.

Aprender Excel agregar valor a sua carreira profissional

6 – Eleva as possibilidades de crescimento na carreira

Por fim e não menos importante, outra razão para você aprender Excel é que ele aumenta as chances de obter uma promoção no trabalho. Ter domínio para criar gráficos e resolver cálculos matemáticos por meio desse aplicativo certamente é algo positivo para a sua carreira e colabora para que os gestores atestem o seu esforço.

Essa habilidade chama a atenção dos gestores, uma vez que eles reconhecem ser esse domínio essencial para um profissional. Desse modo, você vai ter pela frente uma série de oportunidades com aumento de salário e melhores cargos à sua disposição. Cabe a você demonstrar dedicação e vontade de se atualizar para não ficar para trás diante das novidades que aparecerão.

Portanto, neste post, abordamos sobre algumas das razões para se aprender Excel. Esta trata-se de uma ferramenta muito utilizada por todas as áreas, e, por isso, tê-la como diferencial curricular é um dos principais motivos para investir nos estudos. Vale destacar a importância de sempre buscar desenvolver novas habilidades e conhecer novas ferramentas para se destacar no mercado de trabalho.

Se você gostou do nosso texto, leia sobre as 10 funções do Excel para utilizar no trabalho e continue se qualificando.

Até o próximo post!

Fonte:

O poder da persuasão para atrair mais clientes

Posted Leave a commentPosted in Cursos do Clube, Mercado de Trabalho, Profissão
Veja como usar sua influência para atrair mais clientes.

Quando se refere a esse termo – persuasão, muitas pessoas imaginam que é algo ruim principalmente por causa do cunho depreciativo dessa expressão.

Este sentido desfavorável pode ser explicado pelo fato de que persuasão é o ato de convencer alguém a realizar alguma ação. E quando pensamos em técnicas de vendas, isso significa convencer uma pessoa a comprar algum produto ou serviço.

O problema é que, às vezes, o vendedor pode acabar usando estratégias agressivas para convencer uma pessoa a comprar algo que ela não queria, ou seja, ele consegue manipular o cliente.

Entretanto, se você souber utilizar as ferramentes e técnicas que realmente são efetivas para influenciar pessoas para mostrar que elas apresentam problemas que podem ser solucionados com o produto ou serviço que você oferece. Assim, você melhora a experiência do consumidor e ainda vende mais.

Deseja aprender a convencer uma pessoa de que seu produto é o que ela buscava porém, sem ser agressivo?  Veja algumas sugestões que separamos para lhe auxiliar a utilizar seu poder de convencimento.

Manipulação x Persuasão

Primeiramente, vamos explicar para ficar mais claro, o conceito de cada uma das duas palavras:

Segundo Eliana Zuker manipular é um conjunto de ações desonestas altamente agressivas, destinadas a fazer com que alguém mude sua crença ou seu comportamento para beneficiar o manipulador.

Persuasão está intimamente ligado com crença e convicção, porque persuadir alguém significa fazem com que essa pessoa acredite ou aceite uma determinada ideia. Além disso, a persuasão também pode convencer alguém a tomar um certo tipo de atitude.

Persuadir é uma estratégia de comunicação muito utilizada por vendedores que tem como objetivo indicar algo vantajoso para as pessoas e convencê-las, com recursos lógicos e racionais, a tomar alguma ação. No caso das vendas, a ação final é realizar uma compra.

Nas duas situações, o objetivo final é o mesmo: influenciar uma pessoa.

A grande diferença é que a persuasão leva em consideração os benefícios que a pessoa que está sendo influenciada terá e não apenas as vantagens para quem influenciou.

Como melhorar seu poder de convencimento

Foi possível identificar como a manipulação é diferente da persuasão?

É  plausível entender que o objetivo final do processo de venda aqui não é apenas fechar o negócio, mas principalmente encantar seu cliente com a solução que você oferece, já está pronto para usar seu poder de persuasão.

O que você precisa agora é conhecer algumas técnicas de argumentação para te ajudar a desenvolver essa estratégia de vendas. No curso online de “Persuasão em Vendas” do Clube do Trabalhador, você aprenderá e estratégias de como fechar mais vendas e atingir seus objetivos.

Dessa forma, listamos algumas aqui, confira:

1 – Conheça bem seu cliente

A dica inicial para você criar argumentos de vendas que influenciam pessoas a comprarem algum produto ou serviço é reunir o máximo de informações possíveis a respeito de seu possível prospecto.

Na hora da conversa reúna o maior número de informações possíveis, para que assim possa identificar o perfil e estilo do cliente em questão. Quando você conhece bem seu cliente, consegue conversar com ele utilizando a mesma linguagem. Isso facilita a compreensão, além de fazer com que você pense em argumentos muito mais efetivos do que se estivesse falando com alguém que não conhece bem.

Se você ainda não sabe quem é seu cliente ideal, faça uma pesquisa de personas. Isso irá ajuda a entender bem quem é o público que você quer atingir, ou seja, qual é o perfil ideal das pessoas para quem você deveria vender seus produtos.

2 – Coloque-se no lugar do outro

Não ajuda muito identificar e conhecer bem seus clientes potenciais se você não se colocar no lugar do outro.

Já foi falado aqui que o poder de persuasão é diferente da manipulação, principalmente porque o primeiro leva em consideração os benefícios que a pessoa influenciada ganhará.

Se você não demonstrar empatia, dificilmente vai conseguir construir argumentos sólidos de vendas que sejam agradáveis para seus consumidores e muito menos tentará vender produtos que realmente agreguem valor para eles.

Por isso, coloque-se no lugar do comprador e pense em como seu produto ou serviço poderia resolver um problema ou outro sentimento como reconhecimento, felicidade, autoestima e etc, antes de tentar convencê-lo.

3 – Saiba o momento certo para influenciar

Um bom vendedor tem sempre bons argumentos para convencer seu cliente

Nem todas as pessoas estão preparadas para fazerem uma compra ou fechar um negócio.

Antes mesmo delas entenderem que existe um produto que pode solucionar alguns de seus problemas ou dores (sentido figurado), é necessário compreender que existe um problema.

Por isso, não resolve você tentar usar seu poder de persuasão para incentivar alguém a fazer uma compra se essa pessoa ainda não entende que precisa daquilo.

Então, fique muito atento à jornada do cliente. Só assim você conseguirá identificar qual é o melhor momento para demonstrar aos clientes em potencial que seu produto é ideal para eles.

4 – Soluções práticas devem ser apresentadas

Na hora de convencer alguém a efetuar uma compra, um dos principais argumentos, é mostrar que aquilo que você está sugerindo é a solução mais fácil e rápida para os problemas da pessoa.

Mesmo depois de identificar que seu produto pode ajudar, é possível que alguns clientes em potencial não realizem a compra e uma das objeções pode ser a dificuldade de compreender qual o próximo passo a ser dado.

Por isso, deixar claro o que a pessoa precisa fazer é muito importante.

No mercado digital, os CTAs (chamadas para ação) contribuem para que sua audiência percorra todo o processo de venda até finalizarem uma compra. Então, para deixar claro que aquele é o momento de comprar, crie CTAs claros, com ações fáceis de serem executadas, por exemplo, compre agora.

5 – Estabeleça um compromisso

É fato que a palavra do homem, hoje não vale tanto como valia antigamente. Porém, em nível subconsciente, ela continua valendo da mesma forma. Visto que grande parte de nossas ações são tomadas no cérebro límbico. Quando alguém assume um compromisso publicamente, fica “preso” subconscientemente aquela condição.

Exemplo: Numa loja de roupas, após experimentar e dizer SIM logo após o vendedor perguntar se você gostou – pra complicar sua vida ainda mais. Ele pede pra criar algumas imagens mentais, de você usando aquela roupa no dia a dia. Te elogia, e finalmente pede pra você dizer se vai comprar. Mas faz isso, de maneira sutil. Ele diz: Caso, eu consiga agora, um desconto incrível, você aproveitaria a oferta? Perceba que o vendedor inteligente, ele vai obrigando o cliente a pronunciar certas coisas. Por que ele sabe que inconscientemente isso gera compromisso de compra. Eis aí o poder de persuasão.

6 – Seja coerente

Coerência está ligada mais ao campo cinestésico. Também há um compromisso, mas não de acordo com suas palavras, mas sim, de acordo com suas ações. Nós como seres humanos, temos a tendência a ser coerente. Não queremos ser mal vistos diante dos outros. Precisamos preservar nossa reputação. E pra isso, precisamos sempre sermos coerentes. É aí que profissionais que dominam estas técnicas nos capturam e nos faz de ratinhos de laboratório.

7 – Demonstre ser uma pessoa confiável

É muito mais fácil convencer alguém que já nos conhece e confia naquilo que fazemos e falamos. Por isso, antes de tentar influenciar seus clientes em potencial, crie um relacionamento com eles sem pedir nada em troca.

Seja uma referência em seu mercado. Depois disso, você perceberá que terá muito mais facilidade para convencer alguém de comprar seus produtos, já que as pessoas confiarão no que você diz. Está na dúvida de como fazer isso?

Confira nosso vídeo com uma prévia dos conteúdos que são abordados no curso online de Persuasão em Vendas:

8 – Se atente a linguagem corporal

Muitos pessoas acreditam que essa dica é válida apenas para quem vende um produto ou serviço em lojas físicas. Porém, sabia que mesmo que você trabalhe pela internet é importante ficar atento a sua linguagem corporal?

Um boa página de vendas geralmente tem um vídeo que explica do que se trata o produto e quais são os benefícios que o comprador terá depois que realizar aquela compra. Esse é o momento perfeito para usar todo seu poder de persuasão.

Além de pensar nos melhores argumentos para convencer o cliente em potencial, você precisa ter uma postura adequada e que ajude a transmitir confiança.

Evite cruzar os braços, olhe diretamente para a câmera ou para seu cliente no caso de venda presencial. Gesticule de forma calma e precisa. Quanto mais controle você tiver com sua imagem, mais confiança você consegue passar.

9 – Faça uso dos gatilhos mentais

Um profissional com poder de persuasão é aquele que sabe usar corretamente os gatilhos mentais para influenciar quem está a seu redor.

Há várias ações que fazemos automaticamente, como caminhar e mastigar, ou seja, você não precisa parar e pensar enquanto está realizando esses dois movimentos, tudo é involuntário. Na hora de decidir comprar um produto, o mesmo pode acontecer.

Há alguns pensamentos que nos fazem optar entre um produto e outro e eles podem ser ativadas a partir de alguns argumentos apresentados por um vendedor.

Existem diversos gatilhos, como o da escassez, que é você determinar uma quantidade limitada de produtos e falar com sua audiência que ele está acabando; e o da urgência, quando você coloca um limite de tempo para as pessoas efetuarem uma compra.

Independentemente de qual você escolher, saiba que eles são a chave principal na hora de convencer uma pessoa. No curso online Persuasão em Vendas são abordados todos os tipos de gatilhos mentais que são mais usados nas conversões de vendas. Acesse o site para saber mais.

Até o próximo post!

Fonte: 

Transformação digital e sua carreira

Posted Leave a commentPosted in Emprego, Mercado de Trabalho, Profissão

Transformação digital – provavelmente você já ouviu esse termo em algum lugar e sabe que está relacionado com a forte influência da tecnologia no nosso dia a dia.

É possível, por exemplo, hoje trabalhar remotamente, fazer praticamente todas as suas compras pela internet, estudar à distância,  se comunicar e relacionar por meio de dispositivos móveis e realizar várias outras tarefas digitalmente.

Com todas essas mudanças é claro que o mercado de trabalho não poderia ficar de fora. Chegou-se a um ponto em que não dá mais para desconsiderar os impactos da tecnologia no contexto profissional.

Entretanto, os resultados das empresas no mercado quanto nossas carreiras acabam sendo influenciadas pela falta de informações sobre a transformação digital por parte de muitas pessoas.

Você está preocupado com a sua vida profissional e não deseja ficar para trás?

Não desanime, siga lendo este artigo para saber exatamente o que é transformação digital e o que você pode fazer para se adequar a ela.

Afinal, o que é transformação digital?

Transformação digital é o processo de implementação de tecnologia dentro das organizações. Essa técnica serve, principalmente, para aprimorar os processos, impulsionar a produtividade e entregar o melhor produto ou serviço para o consumidor.

No entanto, a transformação digital demanda mais do que apenas digitalizar os métodos, aquisição de equipamentos de última geração e expandir os negócios para o mercado online.

Para que uma empresa realmente vivencie a transformação digital, é necessário alterar toda a cultura organizacional, incluir novas maneiras de pensar e agir e estar disposto para se reinventar constantemente.

Dessa forma, o planejamento estratégico das organizações necessita pressupor a tecnologia como parte fundamental de sua infraestrutura, além de saber como utilizá-la para melhorar a sua performance e se sobressair no mercado com soluções inovadoras e efetivamente atrativas.

Como a transformação digital influência sua vida profissional

Os profissionais precisam estar preparados para usar as tecnologias a favor da empresa

Os profissionais que não estão aptos para fazer uso das tecnologias em prol da empresa ou do seu próprio trabalho estão dando margens para ficar para trás e perder espaço no mercado.

Os recursos tecnológicos não podem ser mais vistos como um bicho de sete cabeças ou como um risco ao seu trabalho. Eles precisam ser considerados como aliados, ou seja, como uma ajuda para você desenvolver as suas funções de maneira mais assertiva e produtiva.

E pode ter certeza que, por mais que a sua carreira pareça totalmente distante da transformação digital, alguma coisa mudou ou está mudando. Em alguma situação você vai precisar se adaptar se não deseja ficar inerte.

Todos os negócios, independentemente do segmento, estão automatizando os seus processos, digitalizando os seus conhecimentos e documentos, buscando as ferramentas que a internet disponibiliza e por aí vai.

É evidente que o uso dos recursos digitais dentro dos diversos ambientes de trabalho está cada vez mais constante. Basta observar o aumento de comércio online que estão surgindo e a grande participação das marcas no ambiente virtual.

Porém, além de demandar mudanças das profissões já conhecidas, a transformação digital também é a responsável pelo surgimento de novas carreiras.

Hoje, há uma procura exponencial por profissionais que há pouco tempo não tinham tanta importância, ou as pessoas nem imaginavam que seria possível existir.

Exemplos de algumas destas carreiras:

  • Influenciador digital;
  • Professor online;
  • Desenvolvedor de aplicativos;
  • Profissional de marketing digital;
  • Administrador de mídias sociais, entre outras.

Todavia, engana-se quem acredite que apenas as pessoas que estão ingressando agora no mercado de trabalho podem trabalhar nessas recentes áreas.

Se você está insatisfeito com o que faz ou está procurando outras oportunidades, saiba que também pode se encaixar nessas novas demandas, principalmente se apresentar as habilidades e entendimento necessários para lidar com a transformação digital.

Não pare de estudar

Se existe uma coisa importante nessa vida – é estudar. Ainda mais essencial para o profissional que deseja evoluir na sua carreira e poder acompanhar todas as mudanças que a transformação digital traz consigo. Manter-se atualizado é fundamental para se destacar na área em que você atua e não ficar à merce do ‘bombardeio’ de inovações em que estamos inseridos.

Não interessa onde você vai buscar essas informações, pode ser em palestras e cursos (online e presencial), livros, postcast, pós-graduação e por aí segue a lista. O que realmente vale é estar sempre a par das novidades em todos os segmentos pertinentes a sua área de atuação. Assim, você será protagonista de mudanças e garantirá seu papel no mercado de trabalho.

Além disso, desenvolva competências ligadas à proatividade e iniciativa. Invista também nas competências interpessoais e relacionais; assim, você terá diferenciais significativos que o ajudarão a se destacar no mercado de trabalho em transformação.

Como a transformação digital pode impulsionar sua carreira

Grande parte do impulso da vida profissional ofertado como oportunidade pela transformação digital está nas novas tecnologias. Apesar disso, não se deve olhar para o futuro profissional e se posicionar apenas como um técnico em uma área especifica.

Muitas das recentes tecnologias irão poder ser administradas por inteligência artificial em um futuro próximo. Por isso, o novo profissional vai ter de assumir uma posição mais polivalente e abrangente, em que possa ter vários funções. A maioria deles será relativa à área de negócios e não de tecnologia. Ao menos é essa a tendência prevista pela consultoria Gartner.

Existem diversos exemplos de como as novas tecnologias vão modificar os negócios. Carros autônomos, impressão 3D, robótica na logística, chatbots para atuar no atendimento, internet das coisas, realidades virtual e aumentada e computação cognitiva são alguns dos exemplos.

Ainda assim, essas aplicações precisam viabilizar mercados, bem como atender necessidades, comportamentos do consumidor, regulamentações estatais e outras demandas que precisam muito mais de novos modelos de negócio do que da experiência na utilização dessas tecnologias — já que essas habilidades são requisitos técnicos.

É necessário desenvolver a habilidade e o conhecimento para enfrentar o desafio da transformação digital

As necessidades essenciais continuam sendo atender às expectativas de acionistas, manter crescimentos sustentável e lucrativo e, principalmente, entregar valor superior para o cliente. Por isso, impulsionar a carreira depende de desenvolver a habilidade e o conhecimento para enfrentar o desafio de incorporar as novas tecnologias como ferramentas úteis para produzir diferencial competitivo e influenciar o futuro.

Cargos como as de direção de design, gerente de desenvolvimento e analista de dados têm sido abertos em várias empresas. O desafio desses profissionais é influenciar a cultura das organizações de forma a intensificar a transformação digital — e o primeiro passo é desmistificá-la.

Entender como a transformação digital pode impulsionar sua carreira envolve compreender o contexto da realidade atual, como ela pode ser no futuro, como os negócios estão posicionados e quais são as possibilidades de qualificação.

Até o próximo post!

Fonte:

Conheça alguns modelos para criar o currículo ideal

Posted Leave a commentPosted in Currículo, Emprego, Mercado de Trabalho
Especialistas relatam que um currículo simples e conciso, porém completo, é a apresentação ideal para qualquer profissional de sucesso

Elaborar um currículo não é trabalho simples, sobretudo quando se está buscando o primeiro emprego ou tentando uma oportunidade com remuneração um pouco melhor do que a atual.

Abreviado muitas vezes como CV (sigla para curriculum vitae), o conhecido relato profissional torna-se  um dos pontos de maior dificuldade para os candidatos, especialmente em relação ao que deve ou não ser mencionado no documento.

Segundo Renato Trindade, gerente da Page Personnel, consultoria especializada em cargos de nível técnico e assistência à gestão, o CV é o ‘cartão de visita’ de todo profissional. “É por meio dele que acontece o contato inicial  e a primeira impressão do recrutador. Por isso, é necessário que ele demonstre com transparência as habilidades técnicas e os progressos do concorrente. É imprescindível apresentar português perfeito e ordenação. ”

A dica de acordo com o profissional, é apresentar modelos reais de suas competências. Não é aconselhável por exemplo, dispor um campo para evidenciar qualidades como “organizado” e “comunicativo” – porém, vale apontar experiências prévias que comprovem essas habilidades ainda que implicitamente. “Hoje em dia, os aspectos comportamentais também são muito relevantes. É importante trazer isso para as entrevistas pessoais, usando referências de cargos ou atividades exercidas que ilustrem essas qualidades”, explica Trindade.

As referidas característica devem ser deixadas para a hora da entrevista, pois também ajuda a economizar espaço no currículo. Segundo o gerente da consultoria, é preciso que o documento seja sucinto. “Normalmente, a pessoa que seleciona os profissionais recebe muitos CVs e têm pouco tempo para fazer a triagem. Por isso, é fundamental que (o currículo) seja completo, mas objetivo. ” No geral, não é recomendado que o documento ultrapasse duas páginas.

Aparência

A parte gráfica do currículo, de acordo com o especialista depende da área para a qual o candidato está se aplicando. Por exemplo, se forem vagas de design ou publicidade e propaganda, é possível investir em um currículo mais criativo e elaborado graficamente, porque a área pede isso. Entretanto, se não for o caso, é melhor fazer um currículo clássico, mostrando apenas as funções principais e adicionando uma breve descrição de cada cargo. O caminho mais seguro para não cometer erros é optar por cores sóbrias como preto e azul escuro, e fontes acadêmicas.

Para elaborar um currículo ideal é indispensável que o profissional apresente suas informações pessoais logo no início da primeira página. São estas: nome, bairro ou endereço completo, idade e estado civil são as informações principais. Não é preciso adicionar foto, como alguns modelos sugerem porém, é imprescindível deixar contatos – telefone, e-mail e, se o candidato preferir, até redes sociais. Estas, como o LinkedIn, podem auxiliar os recrutadores a conhecer mais sobre o candidato, mas é importante mantê-los sempre atualizados. Destaca-se que o LinkedIn já disponibiliza um modelo de currículo com base nas informações inseridas pelo usuário.

Experiência

Logo após de listar as informações pessoais, devem vir os aspectos sobre a formação do candidato, como faculdade, cursos (presencial, online), formações técnicas e outros, sempre mencionando o nome da instituição, curso e data de conclusão. Se a capacitação em questão ainda não tiver sido finalizada o candidato deve inserir o mês e ano programado para a conclusão.

Ressalta-se que o histórico profissional do candidato deve ser organizado em ordem cronológica, da atividade ou emprego mais recente para o mais antigo. Isso significa que, no sentido de leitura, a última ocupação deve aparecer antes das primeiras.

Se o profissional não apresentar muita experiência, como é o caso de pessoas que procuram o primeiro emprego, recomenda-se que ele invista em enaltecer a formação educacional. Podendo mencionar cursos, atividades desenvolvidos durante a faculdade, palestras das quais participou, envolvimento com empresa júnior, voluntariado em ONGs. Além disso, também vale apostar nos objetivos, explicando o que tem para oferecer à empresa, como planeja colaborar e quais são suas competências.

Também é importante incluir no currículo o salário atual e a pretensão salarial para a vaga que está concorrendo. Sob o ponto de vista da empresa, esta informação ajuda na seleção, porque ‘filtra’ candidatos cuja expectativa está elevada demais e sabe que não corresponde a remuneração que será ofertada. Mas, se a pessoa estiver aberta a ofertas e negociações, ela pode deixar isso apontado no currículo. Porém, é essencial se manter objetivo – no cenário econômico brasileiro atual, é quase certo que as empresas não irão admitir cargos com salários supervalorizados. A sugestão é colocar a expectativa igual ou próxima ao salário atual.

Tendo em vista essas informações, segue abaixo modelos de currículo fornecidos pelas consultoras Michael Page e Page Personnel que irão lhe auxiliar na elaboração de um bom currículo.

Modelo de CV – 1  (Reprodução)

 

Modelo de CV  – 2  (Reprodução)

 

Preparamos para você o modelo de currículo ideal. Basta fazer o download e seguir os passos. Acreditamos que dessa forma você terá mais chances de chamar a atenção do recrutador e participar da entrevista de emprego.

Até o próximo post!

 

Fazer download do modelo 1

Fazer download do modelo 2

 

Fonte: